CPI investiga propinas de até R$ 296 mil mensais no Ministério da Saúde

Ao voltar do recesso, o principal foco da CPI da Covid será a denúncia de pagamentos irregulares mensais de até R$ 296 mil a políticos e servidores ligados ao Ministério da Saúde. De acordo com o que vem sendo apurado, o pagamento mensal de propina teria começado em 2018 com previsão de durar cinco anos. […]

19 jul 2021, 14:45 Tempo de leitura: 1 minuto, 2 segundos
CPI investiga propinas de até R$ 296 mil mensais no Ministério da Saúde

Ao voltar do recesso, o principal foco da CPI da Covid será a denúncia de pagamentos irregulares mensais de até R$ 296 mil a políticos e servidores ligados ao Ministério da Saúde.

De acordo com o que vem sendo apurado, o pagamento mensal de propina teria começado em 2018 com previsão de durar cinco anos.

O assunto foi discutido em uma reunião de senadores independentes e da oposição feita na terça-feira (6), na casa de Omar Aziz (PSD-AM), presidente da comissão. A denúncia partiu de uma servidora do ministério que teria pedido sigilo.

A denunciante ainda informou quem seriam os principais beneficiários. De acordo com ela, o deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), ex-ministro e atual líder do governo na Câmara foi quem mais lucrou com a propina. Ele nega as acusações.

O esquema teria começado quando o então ministro Ricardo Barros teria eliminado um setor do ministério que fazia a distribuição de vacinas e colocado a VTC Operadora Logística Ltda para realizar o serviço.

Via Diário do Centro do Mundo

Matéria publicada originalmente no site Canal da Resistência e replicada neste canal.
Foto: Reprodução