Garimpo avança no Brasil e é maior que a mineração industrial

Dados de um levantamento da MapBiomas apontam que a Amazônia possui 93% de todo o garimpo realizado no país. Em áreas indígenas, o crescimento foi de 495% Na mira de Bolsonaro, as terras indígenas no Brasil sofrem, diariamente, ameaças de extinção. O crescimento desenfreado do garimpo no país é maior que a mineração industrial e acontece principalmente […]

30 ago 2021, 17:37 Tempo de leitura: 2 minutos, 29 segundos
Garimpo avança no Brasil e é maior que a mineração industrial

Dados de um levantamento da MapBiomas apontam que a Amazônia possui 93% de todo o garimpo realizado no país. Em áreas indígenas, o crescimento foi de 495%

Na mira de Bolsonaro, as terras indígenas no Brasil sofrem, diariamente, ameaças de extinção. O crescimento desenfreado do garimpo no país é maior que a mineração industrial e acontece principalmente em áreas protegidas e de conservação ambiental.

Em 2020, metade da área nacional do garimpo ocupava unidades de conservação (40,7%) ou de terras indígenas (9,3%). Os dados são de um levantamento realizado pela organização MapBiomas, divulgados nesta segunda-feira, 30.

Conforme o estudo, a Amazônia possui 93% de todo o garimpo realizado no Brasil, e a área ocupada pela mineração industrial chega à metade da área do garimpo, com 49,2%.

Em terras indígenas, as maiores áreas de extração de minérios, que é uma atividade ilegal, estão em território Kayapó e Munduruku, ambos no Pará, e em terras dos Yanomami, no Amazonas e em Roraima. O crescimento foi de 495%.

O Pará também concentra as unidades de conservação com maior atividade garimpeira do Brasil. As três maiores são: a Área de Proteção Ambiental do Tapajós (34.740 ha), a Flona do Amaná (4.150 ha) e o Parna do Rio Novo (1.752 ha).

Para a secretária Nacional de Movimentos Populares do PT, Vera Lúcia Barbosa, o avanço do garimpo em terras indígenas e em áreas de preservação ambiental nos últimos anos reforçam o compromisso dos governos de direita com a destruição da Amazônia e dos povos indígenas.

“O Marco Temporal para demarcar terras indígenas é um exemplo de que esse governo é leal apenas aos interesses do agronegócio, que é uma das principais bases de apoio do presidente Bolsonaro. A votação da próxima quarta-feira, 1º, será decisiva para garantir a não-violação dessas terras e a defesa contra a exploração ilegal do garimpo. Eles estão querendo apenas o mínimo, que seja reconhecido o seu direito de ter uma terra demarcada, e é por isso que precisamos pressionar o Congresso e o STF.”

Julgamento do Marco Temporal

Além de enfrentar conflitos constantes com os garimpeiros, os povos indígenas aguardam, em Brasília, o julgamento do Marco Temporal. A pauta, que pode mudar definitivamente a vida dos indígenas e seria julgada na semana passada, foi novamente adiada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para esta nesta quarta-feira, 1º de setembro.

Pelos menos seis mil indígenas ocuparam a Praça da Cidadania, na capital federal, para acompanhar o julgamento e para lutar contra a agenda anti-índigena do Congresso Nacional. Após novo adiamento na votação, ficaram 1000 representantes de diferentes etnias para seguir com a mobilização até 2 de setembro.

Da Redação, com informações do Valor Econômico e G1

Matéria publicada originalmente no site Partido dos Trabalhadores e replicada neste canal.