Marcha Nacional é marcada por protagonismo das mulheres indígenas

Ato político reuniu cerca de 5 mil mulheres em Brasília por demarcação e direitos Momento de luta, resistência e protagonismo das mulheres indígenas. Essa é a síntese da 2ª Marcha das Mulheres Indígenas na avaliação da secretária nacional de Mulheres do PT, Anne Moura, descendente do povo indígena Manaós (AM). “A Marcha foi um momento de muita […]

10 set 2021, 17:43 Tempo de leitura: 4 minutos, 18 segundos
Marcha Nacional é marcada por protagonismo das mulheres indígenas

Ato político reuniu cerca de 5 mil mulheres em Brasília por demarcação e direitos

Foto: Iolane Moraes

Momento de luta, resistência e protagonismo das mulheres indígenas. Essa é a síntese da 2ª Marcha das Mulheres Indígenas na avaliação da secretária nacional de Mulheres do PT, Anne Moura, descendente do povo indígena Manaós (AM).

“A Marcha foi um momento de muita força, dessas mulheres que deixaram seus territórios para denunciar esse Governo genocida que tenta retirar os direitos dos povos indígenas. Foi um momento de muito protagonismo das mulheres indígenas, um momento de muita força e unidade,resultado de um processo de auto-organização muito forte”, destacou Anne Moura, que também participou da 1ª Marcha em 2019.

Com o tema “Mulheres originárias: Reflorestando mentes para a cura da Terra”, a Marcha reúne cerca de cinco mil mulheres de 172 povos indígenas e de todos os biomas do país e encerra neste sábado, 11 de setembro.

Com dança, música, rituais e protestos as indígenas percorreram na manhã desta sexta-feira (10), uma das principais avenidas da capital do país, a W3 Norte, até o Memorial em Homenagem à Galdino Pataxó. A organização da Marcha acabou mudando a data e percurso original em razão das ameaças de bolsonaristas que invadiram a Esplanada dos Ministérios, sob o comando de Jair Bolsonaro. Leia a nota da Anmiga aqui.

“Apesar de todos esses retrocessos e da tensão que marcaram esses dias com as tentativas de invasão dos bolsonaristas, me senti muito honrada em participar dessa atividade com minhas parentas, foram momentos de muita força e de luta naquilo que para gente é central, que é a defesa do território, da ancestralidade, não à toa o tema do encontro é reflorestando mentes, porque precisamos reflorestar mentes para poder curar o mundo, se não mudarmos as práticas e valorizar os nossos povos originários”, ressaltou Anne Moura.

Para Marinete Almeida, do Povo Tukano do Amazonas, a Marcha foi um momento muito importante. “A gente luta pelo nosso território e a gente luta pelo nosso corpo. A gente luta pelas parentas, contra a violência que tem crescido bastante, o feminicídio das mulheres indígenas. Precisamos ecoar nossas vozes, dizer que estamos aqui, os originários estão aqui nessas terras, estão lutando por elas, porque se a gente não lutar hoje não terá terra, não terá floresta. Não estamos lutando por este momento, estamos lutando pelo futuro, para que nossas crianças, jovens, tenham oportunidade de viver dentro da comunidade, de viver dentro de uma aldeia, de desfrutar da caça, do rio”, pontuou Marinete que destacou ainda as invasões de garimpeiros nas terras indígenas para exploração de minérios.

“Não viemos aqui a passeio, estamos aqui como forma de resistência para poder viver e existir nesse país que é de fato nosso, porque nossa história não começa nem em 1988 e nem em 1500, nós já estávamos aqui. Precisamos que demarquem nossas terras, que respeitem nossa cultura, nossa vida, que preservem as florestas, que olhem para nós mulheres com respeito”, destacou Marinete que está acampada desde o dia 7 de setembro.

Encontro de Petistas

Foto: Reprodução

No início da tarde, mulheres indígenas petistas se encontram na tenda na tenda da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab). “As petistas vieram de várias regiões do país e em várias delegações, esse momento foi uma oportunidade de nos encontrarmos, trocar experiências e falar das perspectivas e desafios para o próximo período”, apontou Anne Moura.

Para a Secretária Nacional de Mulheres é imprescindível que o debate sobre as mulheres seja uma centralidade no partido. “Nós queremos mais mulheres em todos os espaços de participação política. Sem dúvidas vivemos um momento histórico de protagonismo das mulheres e isso precisa ser refletido dentro do PT também”, destacou.

STF

Durante a Marcha, as mulheres indígenas também se mantiveram mobilizadas para acompanhar o julgamento da tese ruralista do Marco Temporal no Supremo Tribunal Federal, que reiniciou nos dias 8 e 9 de setembro e deve retomar na próxima semana.

A Marcha é organizada pela Articulação Nacional das Mulheres Indígenas Guerreiras da Ancestralidade (Anmiga), que lança na noite desta sexta, será lançada o projeto Reflorestar mentes.

“O objetivo é construir juntos uma jornada de vida e reconstrução, que se baseie no encontro entre os povos, no cuidado com a nossa Terra, na interação e conexão de saberes. Para isso o Reflorestar mentes busca organizar os conhecimentos e tecnologias ancestrais desenvolvidos e preservados pelas mulheres indígenas e povos tradicionais que os coloca à disposição de todas e todos que compartilham a preocupação com nossas vidas, com nossa terra, com nosso futuro”, destaca a Organização.

Redação Elas por Elas

Matéria publicada originalmente no site Partido dos Trabalhadores e replicada neste canal